O que se sabe sobre a Gripe do Tomate

Carlos Eduardo Pompilio

Carlos Eduardo Pompilio

23/08/2022

Atualizado em23/08/2022

2 min

Também chamada de Febre do Tomate, nova doença, com primeiro registro na Índia em maio de 2022, gera preocupação na comunidade médica brasileira.


Em 17 de agosto de 2022, uma publicação na revista britânica Lancet chamou a atenção do meio médico no mundo inteiro. Uma nova doença, conhecida como Gripe do Tomate ou Febre do Tomate, surgiu na Índia, no estado de Kerala, em crianças menores de 5 anos. Apesar de ter uma evolução considerada bastante benigna, a enfermidade está preocupando autoridades sanitárias em função do estado de alerta provocado pela Covid-19 e pela recém-chegada Varíola Símia.


O nome curioso “Gripe do Tomate” advém da suas típicas erupções vermelhas no corpo de indivíduos infectados (Figura 1), relembrando a coloração de vermelho “tomate”. A nomenclatura se popularizou e ainda se mantém.


Figura 1. Criança com erupções cutâneas pela Gripe do Tomate. Erupções podem aparecer gradualmente.

Fonte: _jure/Shutterstock



O que dizem os pesquisadores


Pesquisadores ainda não têm certeza de que a doença seja causada por um novo vírus, no caso variantes da doença viral da mão, do pé e da boca, geralmente causadas por coxsackievirus a16 ou enterovirus 71. Isso porque há ainda possibilidades de que esta gripe seja um efeito posterior da chikungunya ou mesmo da dengue, quando em crianças, e não uma infecção viral propriamente dita. Para o Brasil, tal fato tem extrema importância dada a endemicidade das afecções por dengue e chikungunya no país. Em pouco mais de dois meses desde sua primeira notificação em maio de 2022 na Índia, cerca de 82 crianças menores de 5 anos já foram diagnosticadas com a doença.


Vale lembrar que a Gripe do Tomate é considerada autolimitada e não existe ainda medicamento específico para tratá-la.

Dada a sua contagiosidade, a principal medida para conter o avanço é o isolamento, que deve ser seguido por 5 a 7 dias a partir do início dos sintomas. A prevenção é feita por medidas de higiene básicas. Até o momento, não há medicamentos ou vacinas antivirais disponíveis para o tratamento ou a prevenção da Gripe do Tomate.



Você também pode se interessar por:

Corticoide reduz a chance de progressão da nefropatia por IgA

Robô Pupilla e os artigos da semana #19: O papel da vacina contra o HPV na infecção e na recorrência da doença após o tratamento local



Referências

Tomato flu outbreak in India

Vivek P Chavda, Kaushika Patel, Vasso Apostolopoulos — Publicado em 01/09/2022The Lancet Respiratory Medicine

DOI: 

10.1016/s2213-2600(22)00300-9

Tags

GRIPE
ISOLAMENTO
Carlos Eduardo Pompilio

Carlos Eduardo Pompilio

Clínica Médica

CRM: 67539-SP

Médico formado pela Universidade de São Paulo, com residência em Clínica Médica e doutorado em Anatomia Patológica pela USP. Médico assistente do Departamento de Clínica Médica, Disciplina da Clínica Geral do Hospital das Clínicas da FMUSP. Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisa em Literatura, Narrativa e Medicina (GENAM) da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

Parcerias:

logo GrupoFleury
logo MIT
logo Philips
logo Saude Id
logo BricNet
logo Cannect
logo Hospital Sírio-Libanês

A Pupilla

Siga nossas redes