Astrocitoma pilocítico em adultos: fatores que influenciam o prognóstico

Claudia da Costa Leite

Claudia da Costa Leite

23/08/2022

Atualizado em22/08/2022

1 min

O astrocitoma pilocítico é um tumor do sistema nervoso central que tem um comportamento benigno nas faixas etárias pediátricas sendo considerado grau 1 na nova classificação da Organização Mundial da Saúde.


Embora o astrocitoma pilocítico seja um tumor do sistema nervoso central que acometa, geralmente, as faixas etárias pediátricas, em alguns casos, pode ser encontrado em outras faixas etárias, além de apresentar um comportamento distinto do que é visto quando ocorre em crianças.




O que dizem os estudos


Shin I. et al (Neuroradiology 2022) estudaram variáveis clínicas e de imagem de ressonância magnética (RM) num grupo de 56 pacientes com astrocitoma pilocítico, diagnosticados na faixa etária adulta para avaliar quais os fatores que podem predizer a progressão livre de doença e qual a sobrevida nestes casos.


Este estudo avaliou algumas variáveis, como:



  • Idade;
  • Sexo;
  • Presença de anaplasia;
  • Presença de síndrome de neurofibromatose tipo 1;
  • Escala de Karnofsky;
  • Grau de ressecção tumoral;
  • Tratamento pós-operatório.


Do ponto de vista da RM, foram avaliadas a medida do maior eixo da lesão, a localização do tumor a presença de cisto com nódulo mural que realça, a proporção de tumor que realça, a proporção de edema, a definição das margens da lesão que não realçam e a presença de cisto sem nódulo mural.




Considerações


Os resultados da pesquisa demonstraram que, dentre os biomarcadores analisados, somente a idade mais avançada e a definição das margens da lesão que não realçam foram biomarcadores relacionados à progressão livre de doença e à sobrevida em geral. Dito isso, entende-se que o comportamento, nas faixas etárias mais avançadas, é menos favorável que na faixa etária pediátrica. No adulto, a progressão livre de doença chega a 8,.9%, enquanto a sobrevivência, em 5 anos, chega a 91,1%. 




Você também pode se interessar por:

Critérios de Boston versão 2.0 para angiopatia amilóide cerebral.

Gliomas do adulto e a nova classificação da OMS.


Referências

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/35112217/

Clinical factors and conventional MRI may independently predict progression-free survival and overall survival in adult pilocytic astrocytomas

Ilah Shin, Yae Won Park, Sung Soo Ahn, Jinna Kim, Jong Hee Chang, Se Hoon Kim, Seung-Koo Lee — Publicado em 03/03/2022Neuroradiology

DOI: 

10.1007/s00234-021-02872-y

Tags

SISTEMA NERVOSO CENTRAL
TUMOR
CRIANÇAS
Claudia da Costa Leite

Claudia da Costa Leite

Radiologia e Diagnóstico por imagem

CRM: 65349-SP

Médica radiologista formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Neurorradiologista do Grupo Fleury. Professora Associada do Departamento de Radiologia da Faculdade de Medicina da USP. Coordenadora do Ensino e Pesquisa do INRAD-HCFMUSP. Coordenadora de Pesquisa do Diagnóstico por Imagem do Hospital Sírio Libânes.

Parcerias:

logo GrupoFleury
logo MIT
logo Philips
logo Saude Id
logo BricNet
logo Cannect
logo Hospital Sírio-Libanês

A Pupilla

Siga nossas redes