Impacto do desenvolvimento pondero-estatural e da amamentação no desenvolvimento neuropsicomotor

Flávia Almeida

01/09/2022

Atualizado em01/09/2022

3 min

Segundo dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), 21,3% das crianças menores de cinco anos no mundo apresentavam desnutrição em 2019, o que representa 144 milhões de indivíduos. Os últimos dados disponíveis para o Brasil relataram uma prevalência de 6,95% de desnutrição 2007.




Desnutrição e desenvolvimento neuropsicomotor


A desnutrição está negativamente associada ao desenvolvimento neuropsicomotor (DNPM) infantil. Nesse sentido, intervenções nutricionais, especialmente em locais onde a desnutrição é endêmica, têm um efeito positivo no desenvolvimento infantil.

O escore de crescimento linear (z da altura para idade) é o que apresenta maior evidência sobre o impacto negativo no DNPM. A desnutrição crônica, expressa por esse indicador, tem sido associada nas últimas décadas ao comprometimento do crescimento neuronal e ao desenvolvimento deficiente das conexões cerebrais.




Fatores associados ao DNPM subótimo


Vários fatores estão associados ao DNPM subótimo, incluindo:




  • Pobreza;
  • Baixa escolaridade materna;
  • Exposição ao estresse tóxico;
  • Baixo peso ao nascer;
  • Baixo crescimento infantil;
  • Amamentação subótima;
  • Nutrição inadequada.


No presente estudo, os autores tiveram como objetivo avaliar a prevalência de desnutrição e explorar sua relação e curta duração do aleitamento materno com o desenvolvimento (comunicação, motricidade grossa, motricidade fina, resolução de problemas e escores de desenvolvimento pessoal-social), por meio de um estudo transversal de base populacional com crianças de 0 a 66 meses residentes no Ceará, Brasil.




Métodos


Os autores utilizaram dados de base populacional de crianças inscritas no Estudo de Saúde Materno-Infantil do Ceará, Brasil (PESMIC).

O DNPM foi avaliado com a terceira versão do “Ages and Stages Questionnaire (ASQ-BR)”, validado no Brasil. Cinco domínios do desenvolvimento infantil são medidos nas subseções do ASQ-BR:


  1. Comunicação;
  2. Coordenação Motora Ampla;
  3. Coordenação Motora Fina;
  4. Resolução de Problemas;
  5. Pessoal/Social.


A desnutrição foi avaliada por meio de medidas antropométricas. Além disso, as informações sobre aleitamento materno foram obtidas por meio do relato das mães e confirmadas na caderneta de saúde da criança.





Resultados


O estudo incluiu uma amostra de 3.566 crianças e os autores encontraram prevalência de 8,2%, 3,0% e 2,1% para baixa estatura, baixo peso e magreza, respectivamente.

Todos os fatores estudados associaram-se a maior prevalência de comprometimento do DNPM em pelo menos um dos domínios. O baixo peso foi o fator com maior efeito, com razão de probabilidade ajustada (ORa) 4,14 (IC95%: 2,26 a 7,58). A amamentação por até dois meses em comparação com mais de seis meses (ORa 2,08; IC95%: 1,38 a 3,12) também foi associada.





Comentários


O estudo mostra que ainda há uma prevalência importante de baixa estatura (8,2%), baixo peso (3%) e magreza (2,1%) no Ceará, o que sugere a existência de concentrações de desnutrição infantil em regiões específicas do Brasil.

A redução da baixa estatura em 40% é uma das Metas Globais de Nutrição 2025 da OMS, e, para atingir esse objetivo, serão necessárias ações direcionadas. O Brasil experimentou uma queda de quase 37% na baixa estatura, que pode estar ligada a mudanças nos fatores socioeconômicos, como melhorias na capacidade de compra das famílias por meio de sucessivos aumentos do salário mínimo, bem como a expansão do “Bolsa Família”, o aumento da escolaridade materna, além de fatores assistenciais, ou seja, melhorias na cobertura dos serviços de saúde materno-infantil. O clima semiárido e a insegurança alimentar a ele associada podem contribuir para a maior prevalência encontrada no Ceará.

Os autores encontraram associações significativas de medidas antropométricas e amamentação com DNPM. De fato, o efeito protetor do aleitamento materno para o desenvolvimento infantil já está bem estabelecido. Programas governamentais educacionais e nutricionais integrados são fundamentais para melhorar os resultados do desenvolvimento infantil, bem como práticas de estimulação sensorial e motora.



Você também pode se interessar por



As desigualdades do câncer infantil

Estudos Observacionais e o Problema da Epidemiologia Nutricional





Referências

Undernutrition and short duration of breastfeeding association with child development: a population-based study

Hermano A.L. Rocha, Luciano L. Correia, Álvaro J.M. Leite, Sabrina G.M.O. Rocha, Márcia M.T. Machado, Jocileide S. Campos, Antonio J.L.A. Cunha, Anamaria C. e Silva, Christopher R. Sudfeld — Publicado em 01/06/2022Jornal de Pediatria

DOI: 

10.1016/j.jped.2021.07.003

Tags

DESENVOLVIMENTO

Flávia Almeida

Infectologia

CRM: 91434-SP

Médica formada pela Universidade de Mogi das Cruzes, com residência em Pediatria e Infectologia Pediátrica pela Santa Casa de São Paulo, doutorado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Professora assistente de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Médica assistente da Infectologia Pediátrica do Departamento de Pediatria da Santa Casa de São Paulo.

Parcerias:

logo GrupoFleury
logo MIT
logo Philips
logo Saude Id
logo BricNet
logo Cannect
logo Hospital Sírio-Libanês

A Pupilla

Siga nossas redes