Últimos dias para aproveitar os melhores descontos do ano 

0

0

Dias

0

0

Horas

0

0

Minutos

0

0

Segundos


Desfechos relacionados à idade em pacientes com insuficiência mitral em pacientes com insuficiência cardíaca – análise do estudo COAPT

Ibraim Masciarelli Francisco

Ibraim Masciarelli Francisco

26/04/2022

Atualizado em19/05/2022

1 min
Desfechos relacionados à idade em pacientes com insuficiência mitral em pacientes com insuficiência cardíaca – análise do estudo COAPT

O estudo COAPT demostrou que a intervenção com MitraClip em pacientes com insuficiência cardíaca e regurgitação mitral funcional moderada ou grave em associação com tratamento clínico otimizado (TCO) foi superior ao TCO isolado (limitado pela tolerância dos pacientes aos medicamentos utilizados) na redução da mortalidade por todas as causas e da internação em pacientes sintomáticos em classe funcional entre 2 e 4a. Contudo, poucos dados destacaram a idade dos pacientes.

Métodos: Foram selecionados 614 pacientes do estudo COAPT com mediana de idade de 74 anos para avaliação da prevalência de desfechos ao final de dois anos de evolução.

Resultados: A média de idade era 72 anos, e 37% dos pacientes eram do sexo feminino. Conforme os critérios de inclusão do estudo COAPT, todos apresentavam fração de ejeção entre 20 e 50%, com diâmetro sistólico final do ventrículo esquerdo com menos de 70mm. A maior parte dos pacientes apresentava doença coronária como causa da disfunção ventricular. O tratamento intervencionista levou a menos incidência de morte ou de internação por insuficiência cardíaca tanto no grupo de pacientes com menos de 74 anos de idade (37,3% vs. 64,5% IC 0,29 – 0,59) quanto no subgrupo mais longevo (51,7% vs. 69,6% IC 0,42 – 0,81). A redução da taxa de mortalidade foi semelhante nos dois subgrupos, que também apresentaram melhora equivalente na qualidade de vida. Por outro lado, pacientes mais velhos apresentaram tendência a ter menor benefício no que se refere a internações relacionadas à insuficiência cardíaca.  Houve menor necessidade de transplante cardíaco ou do uso de dispositivos de circulação assistida no grupo submetido ao tratamento intervencionista, mas não se observou diferença no que se relaciona ao desenvolvimento de insuficiência tricúspide, nem de acidente cerebrovascular.  

Perspectiva: O trabalho mostra resultados que encorajam a consideração do tratamento percutâneo da regurgitação mitral secundária em pacientes com insuficiência cardíaca. Houve aumento da qualidade de vida, associado à redução de desfechos desfavoráveis em ambas as faixas etárias estudadas. Deve-se levar em consideração, porém, que todos os operadores que participaram deste estudo tinham experiência no manejo destes dispositivos, obtendo elevada taxa de sucesso e baixo índice de complicações. O tratamento por cateter do refluxo mitral também se associou com custos mais elevados, e estes dois últimos critérios devem ser levados em conta ao se selecionar pacientes para este tipo de intervenção


Referências

https://www.jacc.org/action/showCitFormats?doi=10.1016/j.jcin.2021.11.037

Age-Related Outcomes After Transcatheter Mitral Valve Repair in Patients With Heart Failure

Chris Song, Gregg W. Stone — Publicado em 31/01/2022JACC: Cardiovascular Interventions

DOI: 

10.1016/j.jcin.2021.11.037

Tags

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
CARDIOLOGIA
TRATAMENTO
CARDIOLOGIA CLÍNICA
INSUFICIÊNCIA MITRAL
Ibraim Masciarelli Francisco

Ibraim Masciarelli Francisco

CRM: 47375-SP

Médico formado pela Universidade Federal de São Paulo, com residência em Cardiologia pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia e doutorado em ciências pela Faculdade de Medicina da USP. Assessor sênior da cardiologia do grupo Fleury, Fellow do American College of Cardiology e da European Society of Cardiology, ex presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo.

Black November Card

Parcerias:

logo GrupoFleury
logo MIT
logo Philips
logo Hospital Sírio-Libanês
logo Saude Id
logo Cannect
logo BricNet

A Pupilla

Siga nossas redes